Entenda o processo de doação de sangue e seja um doador

0

No Brasil, apenas 1,9% da população doa sangue anualmente, segundo dados da Fundação Pró-Sangue, o maior hemocentro da América Latina, ligado à Secretaria de Estado da Saúde e ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). No Brasil, é possível doar de quatro formas: voluntária, vinculada – também chamada de reposição -, específica e autotransfusão. Na primeira, o indivíduo contribui com os bancos de sangue. No segundo caso, o doador tem a intenção de repor a quantidade de líquido vermelho utilizada no tratamento de um conhecido. Na categoria específica, a bolsa é destinada a um determinado paciente. Por fim, a autotransfusão permite que a pessoa reserve seu sangue para, mais tarde, ela mesma utilizá-lo.

o-BLOOD-DONATION-facebook

 

Passo a passo da doação

1. Quem pretende ser um voluntário deve se dirigir a um hemocentro, munido de documento de identificação e ciente de todos os requisitos e os impedimentos , temporários e definitivos, para a realização do processo. No local de doação, é preenchido um cadastro pessoal.
2. São realizadas triagens clínicas e hematológicas para checar a pressão arterial, os batimentos cardíacos, o peso, a temperatura corporal e até mesmo a quantidade de hemácias no volume total de sangue, determinando ou não a anemia. Para isso, basta um furinho no dedo e uma gota do líquido. Em caso positivo, o indivíduo não estará apto a doar.

Em uma entrevista, analisam-se antecedentes patológicos e fatores de risco que impedem o procedimento. Há casos de doenças não detectadas pelos exames de sorologia ou que estejam ainda em janelas imunológicas, ou seja, no intervalo de tempo entre a infecção pelo vírus e a produção de anticorpos que confirmam a patologia. “Esse período, hoje, foi bastante reduzido pelos testes de última geração, como o NAT (teste de biologia molecular) para hepatite C e HIV. Claro que isso não exclui a necessidade de uma checagem criteriosa e bem feita”, pondera Thomaz Nicoletti Filho, hemoterapeuta e médico assistente do serviço de hemoterapia do Hospital do Servidor Público Municipal, em São Paulo.

Portanto, é muito importante ser sincero em todas as respostas, evitando incidentes nas etapas de doação e transfusão sanguíneas. Em casos de constrangimento no momento das perguntas, o voto de autoexclusão pode solucionar o problema. Após um telefonema confidencial, a bolsa de sangue será desprezada, mesmo que os resultados dos exames realizados sejam negativos.

3. O passo seguinte é a coleta de sangue e de amostras para tipagem e sorologias. Essa etapa compreende a própria doação e os testes para doenças infecciosas que possam causar riscos ao receptor.

Após a doação

Depois de colhido, o sangue é fracionado em hemocomponentes e estocado até que os resultados sorológicos para liberação ou desprezo das bolsas sejam confirmados. Se o líquido doado for aprovado em todos os testes anteriores, seu envio e sua transfusão estão autorizados. “Durante a coleta, existem procedimentos de identificação das bolsas, componentes e amostras com códigos de barra que acompanharão o sangue até seu destino final”, esclarece o hemoterapeuta.

Consequências para o doador

O sangue é um tecido renovável e tudo o que foi perdido durante a doação é reposto em até no máximo oito semanas para homens e 12 semanas para mulheres. Por isso, esses são os intervalos mínimos para um novo procedimento. “Numa dieta equilibrada, em que haja recomposição de nutrientes em quantidade suficiente, esse tempo não causa prejuízos ao doador”, explica Nicoletti Filho.

Quem recebe o sangue

Os receptores se dividem em dois grupos: os casos de emergência transfusional, que incluem hemorragias decorrentes de acidentes até cirurgias de grande porte, com perda sanguínea acentuada, e os não emergenciais, composto por pessoas que fazem tratamentos prolongados de anemias crônicas, pré-operatórios e prevenção de hemorragias.

Incompatibilidade sanguínea

No processo de transfusão, a mistura entre os tipos sanguíneos pode ocasionar reações adversas ao receptor. Febre e calafrios ou, em casos mais graves, anemia, reações alérgicas diversas, insuficiência renal, coagulação intravascular e até a morte. Esses problemas podem ocorrer, porque os glóbulos vermelhos carregam ou não em sua membrana celular proteínas denominadas antígenos, responsáveis pela produção de anticorpos, que rejeitam hemácias vindas de determinados doadores.

A incompatibilidade anti-D, referente ao fator Rh positivo ou negativo, pode ser menos perigosa. O primeiro contato entre os tipos desencadeia a produção de anticorpos contra as hemácias recém-chegadas, sensibilizando o organismo. As consequências, entretanto, são, geralmente, percebidas a partir da segunda relação, podendo ser tão graves quanto à incompatibilidade do sistema ABO

Compartilhe!

Sobre o Autor

Deixe uma resposta