A saúde emocional de um indivíduo pode estar ligada a inúmeros fatores – inclusive àqueles que orbitam os aspectos físicos. Sob esta premissa, pesquisadores da Faculdade de William e Mary (Virgínia, EUA), descobriram que a saúde mental depende, também, do funcionamento do intestino, principalmente no que diz respeito aos alimentos fermentados, que contêm probióticos.

Uma das conclusões do estudo foi que jovens e adultos que ingerem mais alimentos fermentados – como iogurte, por exemplo – apresentam menos sintomas de ansiedade social.

Estudos anteriores já haviam analisado cada mecanismo que faz parte dessa ligação. A ingestão de determinados tipos de bactéricas, como os lactobacilos, interferem na permeabilidade do intestino, inflamação e aumento do GABA, um neurotransmissor que comumente é “imitado” por medicamentos que combatem à ansiedade. As pesquisas apontaram que os probióticos aumentam o GABA, como se o próprio organismo estivesse produzindo as substâncias certas para amenizar o problema.

A pesquisa

O estudo feito pelos pesquisadores da Faculdade de William e Mary consistiu em uma abordagem naturalística, na qual os 700 participantes não receberam probióticos para ingerir, ou seja, apenas informaram quantos alimentos fermentados eram consumidos em suas rotinas. O questionário aplicado também devia informar demais hábitos das pessoas, como prática de exercícios, consumo de frutas e vegetais e aspectos relacionados à saúde emocional.

A principal descoberta apontou que os participantes que haviam ingerido mais alimentos fermentados apresentavam menos ansiedade social. Alguns participantes que já apresentavam ansiedade tiveram este quadro reduzido após o consumo destes produtos. Foi descoberto, ainda, que os exercícios físicos são agentes que contribuem para redução de nervosismo.

Para o futuro

Com o registro de tantas evidências, os pesquisadores irão avançar para a etapa na qual o estudo adquire um caráter experimental. Nesta fase, serão analisadas especificamente as características do intestino, dos probióticos e das questões emocionais. Com os resultados positivos das pesquisas iniciais, é provável que o resultado final também dê certeza a estas suposições.

Caso esta ligação seja comprovada, as terapias tradicionais – que englobam medicação e/ou psicoterapia – poderão ser aliadas a melhorias no estilo de vida, tornando maior a probabilidade de um quadro de ansiedade ser tratado de forma efetiva.